primaveras category image
01 de julho de 2015
Postado por Sara Nascimento

A escolha mais difícil da minha vida

trilhos

Alguns dizem que é decidir se casar. Para mim não foi tão fácil, confesso, mas não chega nem perto de decidir sair de perto daqueles que você ama. Claro que ao se casar, automaticamente (na maioria das vezes) você precisa sair da casa dos pais (pelo menos para uma das partes), mas isso não significa se afastar. Você vai receber visitas, vai visitar os parentes, rola aquela velha história de morar longe o suficiente para não visitarem todo dia, mas não muito longe para não precisarem levar malas, enfim.

E quando você decide morar em outro lugar? Em outra cidade? Em outro estado? Ou em outro país? E não digo numa situação de intercâmbio, onde você sabe que é temporário (teoricamente, a menos que se apaixone tanto pelo lugar que decida ficar por lá), ou numa convocação de concurso público (do jeito que a economia está, nem pense duas vezes!), mas quando é simplesmente para seguir um sonho.

As garotas da minha época (colegas de escola, de faculdade) saíram das cidades do interior para ir à capital seguir um sonho, uma carreira. Cresci ouvindo histórias de pessoas que deixaram a Bahia para morar em São Paulo, em busca de melhores condições de vida ou de um sonho. Também escutei muito o ditado: “São Paulo é terra que filho chora e mãe não vê”, se referindo a distância que a cidade provoca entre entes da família. Sem nenhuma garantia, muitos deixaram as famílias para trás para seguir aquilo que seu coração pedia. Não sei se estavam completamente convencidos a ir ou se o medo do desconhecido também lhes afligiu, mas foram corajosos o suficiente para não permitir que aquele medo os impedisse.

Eu nunca passei por isso, pois nasci e vivi até hoje numa capital. Até agora.

Tenho uma oportunidade de ouro nas mãos para fazer algo que sempre quis, mas já me sinto velha para me aventurar e com tantas raízes criadas por aqui que o medo e a insegurança do desconhecido me paralisam toda vez que penso em dar o passo seguinte. E não é só o meu medo que está em jogo, mas o medo daqueles que me querem por perto também. E é tão difícil decidir!

Não seria a escolha mais difícil da minha vida se não houvesse tantos impasses. Me resta entregar nas mãos de Deus, para que Ele me mostre em meu coração que decisão tomar.

E se você leu até aqui, muito obrigada! <3

primaveras category image
28 de abril de 2015
Postado por Sara Nascimento

Respirar

Há alguns meses vivo me perguntando o sentido de diversas coisas: para que viver se esforçando por algo que não vale tanto a pena, acabar com o próprio corpo trabalhando tanto para pagar as contas, viver contra a corrente, fazendo algo que você não gosta tanto para sobreviver… Qual o sentido de tudo isto?

E as vezes chego a conclusão de que isso é crescer, assumir responsabilidades, ter uma família… Mas ainda acredito que pode ser diferente, mas só será com uma condição: se nos achegarmos mais a Deus.

Sim, falamos tanto que só Ele pode todas as coisas, mas na prática estamos sempre querendo poder fazer todas essas coisas por nossas próprias mãos. É impossível. Basta pensar (até logicamente neste momento): em um mundo com bilhões de pessoas, acha que a sua força de vontade é mesmo maior que a de, no mínimo, 10% de todas essas pessoas? Mas se for a vontade de Deus, com certeza será.

Deixar a preocupação de lado, descansar nos braços Dele e pedir que a Sua vontade seja feita acima de todas as coisas (inclusive acima de meus sonhos e vontades) não é uma atitude fácil para o ego humano, mas sei que as coisas só irão fluir depois dessa atitude. E não, isso não significa não fazer alguma coisa para mudar, mas significa sim abrir mão de investir tanto em meus sonhos e passar a investir mais no sonho de outro. Isso é família, e tenho certeza que muitas mães e pais já fizeram muito isso por aqui.

Chegará então o momento de respirar, profundamente, e permitir que Ele, quem pode todas as coisas, possa agir.

Primavera de 87 - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2017